Kanban15jun13 130708115143-phpapp01

download Kanban15jun13 130708115143-phpapp01

of 31

  • date post

    09-Aug-2015
  • Category

    Technology

  • view

    60
  • download

    0

Embed Size (px)

Transcript of Kanban15jun13 130708115143-phpapp01

  1. 1. Bruno Sequeira, Manuel Pires, Rui Dias, Sofia Rodrigues Lean SCM
  2. 2. Bruno Sequeira, Manuel Pires, Rui Dias, Sofia Rodrigues Lean SCM ndice 1 - O que o Kanban? 2 - Quais os tipos de Kanban? 3- Vantagens do Kanban. 4- Como se aplica o Kanban? 5- Condies para Implementar o Kanban. 6- Apresentao de exemplos de boas prticas. 7- Concluses
  3. 3. Bruno Sequeira, Manuel Pires, Rui Dias, Sofia Rodrigues Lean SCM 1 - O que o Kanban?
  4. 4. Bruno Sequeira, Manuel Pires, Rui Dias, Sofia Rodrigues Lean SCM Kanban uma palavra de origem japonesa que significa literalmente registo ou placa visvel. um sistema desenvolvido para a produo Lean e just-in-time (JIT). Kanban um sistema para controlar a cadeia logstica do ponto de vista da produo. Desenvolvido por Taiichi Ohno, no Toyota, para encontrar um sistema para melhorar e manter um nvel elevado de produo. Kanban um mtodo atravs do qual alcanado o JIT. Tornou-se uma ferramenta eficaz para apoiar a execuo de um sistema de produo como um todo, e provou ser um excelente meio para promover a melhorias. No final de 1940, a Toyota comeou a estudar supermercados com a idia de aplicar as tecnicas de abastecimento de prateleiras em lojas para o abastecimento de linhas produtivas. Num supermercado, os clientes obtm a quantidade necessria no tempo necessrio, nem mais nem menos. Alm disso, os stoks dos supermercados so baseados no que se espera vender dentro de um determinado perodo de tempo, e os clientes levam apenas o que eles precisam, pois o suprimento futuro est assegurado.
  5. 5. Bruno Sequeira, Manuel Pires, Rui Dias, Sofia Rodrigues Lean SCM Esta observao levou Toyota para visualizar um processo como sendo um cliente de um ou mais dos processos anteriores, e os processos anteriores so vistos como um tipo de loja. O "processo" cliente vai at a loja para obter os componentes necessrios que por sua vez faz com que a loja se reabastea. Um sistema Kanban, pode reduzir drasticamente os nveis de stocks, aumentar a rotao de stocks, melhorar relacionamento fornecedor/cliente e melhorar a preciso dos horrios de fabricao. Kanban alinha os nveis de stock com o consumo real, um sinal enviado para produzir e entregar uma nova remessa quando o material consumido. Kanban utiliza a taxa de procura para controlar a taxa de produo, passando a procura do cliente final atravs da cadeia de processos de clientes da loja.
  6. 6. Bruno Sequeira, Manuel Pires, Rui Dias, Sofia Rodrigues Lean SCM 2 - Quais os tipos de Kanban?
  7. 7. Bruno Sequeira, Manuel Pires, Rui Dias, Sofia Rodrigues Lean SCM Existem trs tipos de Kanban: De transporte ou logstica: usado para avisar o estgio anterior que o material pode ser retirado do stock e transferido para um destino especfico. Este contm informaes como: nmero e descrio do componente, lugar de origem e destino, entre outras. De produo: um sinal para o processo produtivo de que ele pode comear a produzir um item para que seja colocado em stock. A informao contida neste kanban normalmente inclui nmero e descrio do componente, descrio do processo, materiais necessrios para produo do componente, entre outras. Do fornecedor: so usados para avisar ao fornecedor que necessrio enviar material ou componentes para um estgio da produo.
  8. 8. Bruno Sequeira, Manuel Pires, Rui Dias, Sofia Rodrigues Lean SCM 3 Vantagens do Kanban
  9. 9. Bruno Sequeira, Manuel Pires, Rui Dias, Sofia Rodrigues Lean SCM Vantagens do sistema Kanban A grande vantagem da utilizao do sistema Kanban para as empresas a reduo de custos. Isto por que as empresas ao manterem em Stock apenas o que iro consumir conseguem uma maior disponibilidade de tesouraria, no tendo a necessidade de manter muito capital imobilizado sem saber quando os materiais sero utilizados. Outras vantagens obtidas com a utilizao do mtodo Kanban: Uma maior capacidade total das linhas produtivas, j que os sectores produtivos so mais bem aproveitados; Antecipao dos prazos de entrega dos produtos finais aos clientes, j que as quantidades de materiais para a produo esto sempre disponveis na quantidade requisitada por este cliente; Reduo do nvel de existncia de produtos finais em Stock. Uma vantagem da produo pull.
  10. 10. Bruno Sequeira, Manuel Pires, Rui Dias, Sofia Rodrigues Lean SCM O Kanban tem como caracterstica um sistema visual, sendo que as suas cores so equiparadas a um semforo, onde a cor verde significada que a produo est fluindo bem; com o amarelo devemos ficar atentos e o vermelho significa que a situao est crtica.
  11. 11. Bruno Sequeira, Manuel Pires, Rui Dias, Sofia Rodrigues Lean SCM 4 Como se aplica o Kanban?
  12. 12. Bruno Sequeira, Manuel Pires, Rui Dias, Sofia Rodrigues Lean SCM O Kanban funciona como uma encomenda interna colocada num posto de trabalho e como guia de remessa quando acompanha o produto resultante dessa encomenda. Desta forma, o Kanban uma ordem de fabrico que circula permanentemente no fluxo de produo, acompanhando o fluxo dos materiais no sentido a jusante e voltando sozinho para montante logo que os materiais so consumidos. Desta forma, o ritmo de produo determinado pelo ritmo de circulao dos cartes (Kanbans), o qual por sua vez, determinado pelo ritmo de consumo dos materiais. Um posto de trabalho a jusante comanda assim o posto a montante. O Kanban consiste em sobrepor ao fluxo fsico dos materiais um fluxo inverso de informaes. Como se Aplica o Kanban
  13. 13. Bruno Sequeira, Manuel Pires, Rui Dias, Sofia Rodrigues Lean SCM Como se Aplica o Kanban
  14. 14. Bruno Sequeira, Manuel Pires, Rui Dias, Sofia Rodrigues Lean SCM Podemos observar o que ocorre entre os dois postos : O posto de trabalho 2 consome as peas fabricadas pelo posto de trabalho 1. Cada vez que o posto 2 utiliza um contentor ( C) de peas, retira-lhe o carto, designado Kanban (K), que reenvia para o posto de trabalho 1. Desta forma, o carto possui, para o posto de trabalho 1, uma ordem de fabrico de um contentor de peas. Quando o posto de trabalho 1 termina o fabrico do contentor, coloca-se 1 carto Kanban. O contentor ,ento, encaminhado para o posto de trabalho 2. Entre 2 postos de trabalho circulam um numero definido de Kanbans (Contentores). Um carto Kanban s deixa um contentor para ser devolvido ao posto de trabalho 1, quando o contentor se encontra completamente vazio. Como se Aplica o Kanban
  15. 15. Bruno Sequeira, Manuel Pires, Rui Dias, Sofia Rodrigues Lean SCM Este sistema reflecte-se entre todos os postos de trabalho do mesmo sector de produo. Um Kanban especfico apenas circula entre dois postos de trabalho especficos. Os Kanbans esto, fixados nos contentores que aguardam no posto de trabalho 2 ou no planeamento de Kanbans no posto 1 espera de transformao de peas. Condies para Implementar O Kanban
  16. 16. Bruno Sequeira, Manuel Pires, Rui Dias, Sofia Rodrigues Lean SCM 5 Condies para aplicar o Kanban
  17. 17. Bruno Sequeira, Manuel Pires, Rui Dias, Sofia Rodrigues Lean SCM Necessidade de um bom lay-out da fabrica e dos meios produtivos; Necessidade de tempos curtos para mudana em srie; Eliminao de possveis imprevistos; Desenvolvimento de relaes privilegiadas com fornecedores; Polivalncia do pessoal e necessria formao dos recursos humanos; Normalizao dos componentes e subconjuntos constituintes do produto, o que permite diminuir o nmero de referncias a trabalhar; necessrio nivelar a procura. Condies para Implementar O Kanban
  18. 18. Bruno Sequeira, Manuel Pires, Rui Dias, Sofia Rodrigues Lean SCM 6 Exemplos de boas prticas
  19. 19. Bruno Sequeira, Manuel Pires, Rui Dias, Sofia Rodrigues Lean SCM Para cada pea temos uma sequncia de posies onde so colocados os cartes. As posies vazias indicam o stock disponvel (embalagens cheias) e cada cor indica o grau de urgncia da reposio. Os cartes so colocados do verde para o vermelho. Quadro Kanban No h necessidade de produzir preciso produzir Stock de segurana
  20. 20. Bruno Sequeira, Manuel Pires, Rui Dias, Sofia Rodrigues Lean SCM O cliente s retira peas de stock quando for realmente necessrio. O fornecedor s pode produzir peas das quais possui kanbans de produo e nas quantidades definidas nestes. Somente peas boas podem ser colocadas em stock. Os cartes devem ficar nas embalagens cheias ou no quadro Kanban. O quadro deve ser fixado em local acessvel, visvel e prximo do stock.
  21. 21. Bruno Sequeira, Manuel Pires, Rui Dias, Sofia Rodrigues Lean SCM Responsvel pela comunicao e funcionamento do sistema. O numero de cartes kanban est diretamente relacionado com a velocidade de consumo na linha de montagem e com o tempo de reposio necessrio ao fornecimento dos lotes.
  22. 22. Bruno Sequeira, Manuel Pires, Rui Dias, Sofia Rodrigues Lean SCM Cada lote armazenado num recipiente padronizado, com um numero definido de peas e um carto correspondente a cada contentor. Os contentores cheios e vazios devem ficar nos lugares pr- establecidos, devidamente sinalizados.
  23. 23. Bruno Sequeira, Manuel Pires, Rui Dias, Sofia Rodrigues Lean SCM Quando o cliente for retirar um contentor do stock para consumo, deve colocar o carto no quadro kanban seguindo a ordem: 1 verdes, 2 amarelos, 3 vermelhos. O fornecedor interno ou externo, saber quantos contentores foram retirados do stock, funcionando como uma autorizao para produzir a pea.
  24. 24. Bruno Sequeira, Manuel Pires, Rui Dias, Sofia Rodrigues Lean SCM Ser produzida apenas a quantidade de contentores representada pelos cartes no quadro, nem um contentor de peas a mais poder ser produzido. Podendo recorrer a uma webcam direcionada para o quadro kanban, estando o fornecedor a visualizar o quadro on line.
  25. 25. Bruno Sequeira, Manuel Pires, Rui Dias, Sofia Rodrigues Lean SCM Produo em 1 lugar Produo em 2 lugar Quando as peas forem produzidas internamente (kanba